Artigos

Gastrotomia - Gastrotomia

Gastrotomia

Intervenção que se realiza durante a cirurgia abdominal na qual se pratica uma incisão no estômago para permitir a inspeção do seu interior, como por exemplo, para procurar um foco de hemorragia, para eliminar um corpo estranho ou para conseguir que o esófago seja puxado de baixo.

gastropexia - Gastropexia

Gastropexia

Fixação cirúrgica do estômago à parede abdominal.

Gastrenterostomia - Gastrenterostomia

Gastrenterostomia

Operação cirúrgica na qual se une o intestino delgado a uma abertura praticada no estômago. A técnica usual é a gastroduodenostomia.

Gastrenterite - Gastrenterite

Gastrenterite

Inflamação do estômago e do intestino. Costuma dever-se a uma infeção aguda por vírus ou bactérias ou às toxinas de alimentos contaminados e provoca vómitos e diarreia. A doença dura três a cinco dias. Sobretudo nas crianças, a perda de fluidos é, às vezes, importante, sendo necessária a reposição por perfusão endovenosa nos casos de desidratação grave.

Gastrectomia - Gastrectomia

Gastrectomia

Operação cirúrgica em que a totalidade (gastrectomia total) ou parte (gastrectomia parcial) do estômago é extirpada. A gastrectomia total, em que o esófago se anastomosa ao intestino delgado, efetua-se no cancro do estômago e de vez em quando na síndroma de Zolinger-Ellison. Na gastrectomia parcial ou subtotal, o terço superior ou a metade superior do estômago une-se ao duodeno ou ao intestino delgado (gastrenterostomia). Esta operação costuma ser levada a cabo em casos de úlcera péptica grave. Depois da gastrectomia, reduz-se a capacidade para os alimentos, o que às vezes conduz à perda de peso. Entre outras complicações da gastrectomia, citaremos a síndroma de dumping, a anemia e a má absorção.

esofago1 - Esófago

Esófago

Canal muscular com cerca de 23 centímetros de comprimento, que se estende desde a faringe ao estômago. Transporta o bolo alimentar da faringe para o estômago. Está revestido por uma membrana mucosa cujas secreções lubrificam o bolo alimentar à sua passagem desde a boca até ao estômago. É composto por três camadas: uma forte camada exterior de fibras musculares dispostas em dois estratos, o mais exterior longitudinalmente e o interior circularmente; segue-se depois uma camada de tecido conjuntivo laxo contendo vasos sanguíneos, glândulas, etc., e, por fim, uma forte membrana mucosa forrada por epitélio, semelhante ao da boca e da pele.

Estômago dilatação - Estômago (dilatação)

Estômago (dilatação)

Pode existir sem manifestar sintomas, possuindo simplesmente o indivíduo afetado um estômago de capacidade maior do que a normal. Mas nos casos em que são retidas porções de alimentos no estômago durante muito tempo, fermentando e dando lugar a inúteis esforços espasmódicos da parede muscular para esvaziar o órgão, ou a grande irritação da membrana mucosa, origina-se uma situação muito incómoda, tendo grave repercussão sobre a saúde em geral. A doença pode aparecer em consequência de fraqueza da parede muscular  do estômago, como resultado de um estado de desgaste do organismo, como por exemplo, debilitação ou enfraquecimento  geral da energia nervosa causado por excesso de trabalho. A dilatação também aparece nos recém-nascidos, como resultado de um estreitamento congénito do orifício pilórico (estenose pilórica congénita).

lcera gástrica - Úlcera gástrica

Úlcera gástrica

Úlcera no estômago provocada pela ação do ácido clorídrico, a pepsina e a bílis, no revestimento do estômago (mucosa). A produção de ácido gástrico não costuma aumentar. Entre os sintomas, destacamos os vómitos e a dor na parte superior do abdómen pouco depois da ingestão de alimentos, bebidas alcoólicas ou com cafeína. Como complicações pode apresentar-se hemorragia, perfuração e obstrução depois da cicatrização. Pode, por vezes, malignizar.

Pâncreas - Pâncreas

Pâncreas

Glândula composta, situada atrás do estômago. É composto por conglomerados de células que segregam o suco pancreático. Este suco contém um determinado número de enzimas relacionadas com a digestão. O suco circula nuns pequenos canais que, por seu lado, se vão abrir no canal pancreático. Este canal une-se ao colédoco, conduzindo a secreção até ao duodeno.

Pepsina - Pepsina

Pepsina

Enzima do estômago que inicia a digestão das proteínas desdobrando-as em peptonas. É produzida pela ação do ácido clorídico no pepsinógeno segregado pelas glândulas gástricas. Uma vez formada, a pepsina pode atuar sobre o pepsinógeno para formar mais pepsina.