Artigos

lcera gástrica - Úlcera gástrica

Úlcera gástrica

Úlcera no estômago provocada pela ação do ácido clorídrico, a pepsina e a bílis, no revestimento do estômago (mucosa). A produção de ácido gástrico não costuma aumentar. Entre os sintomas, destacamos os vómitos e a dor na parte superior do abdómen pouco depois da ingestão de alimentos, bebidas alcoólicas ou com cafeína. Como complicações pode apresentar-se hemorragia, perfuração e obstrução depois da cicatrização. Pode, por vezes, malignizar.

Pâncreas - Pâncreas

Pâncreas

Glândula composta, situada atrás do estômago. É composto por conglomerados de células que segregam o suco pancreático. Este suco contém um determinado número de enzimas relacionadas com a digestão. O suco circula nuns pequenos canais que, por seu lado, se vão abrir no canal pancreático. Este canal une-se ao colédoco, conduzindo a secreção até ao duodeno.

Pepsina - Pepsina

Pepsina

Enzima do estômago que inicia a digestão das proteínas desdobrando-as em peptonas. É produzida pela ação do ácido clorídico no pepsinógeno segregado pelas glândulas gástricas. Uma vez formada, a pepsina pode atuar sobre o pepsinógeno para formar mais pepsina.

Gastrostomia - Gastrostomia

Gastrostomia

Operação cirúrgica na qual o estômago se encosta à parede abdominal, efetuando-se uma abertura no mesmo. A intervenção efetua-se para permitir a introdução direta no estômago de alimentos e fluidos quando a deglutição é impossível em consequência de uma doença ou obstrução do esófago. Às vezes utiliza-se temporariamente depois de intervenções esofágicas até que se consiga o restabelecimento total.

250px Estomago.svg  - Antrectomia

Antrectomia

Extirpação cirúrgica das paredes de um antro, como as do antro mastóide ou do antro pilórico do estômago.

Gastresofagostomia - Gastresofagostomia

Gastresofagostomia

Operação cirúrgica em o esófago se une ao estômago quando a união natural está obstruída por acalásia, estenose do esófago ou por um cancro.

gastrospasmo - Gastrospasmo

Gastrospasmo

Contratura da túnica muscular do estômago.

Gastrite1 - Gastrite

Gastrite

Inflamação do revestimento (mucosa) do estômago. A gastrite aguda é produzida pela ingestão excessiva de álcool ou de outras substâncias irritantes ou corrosivas e causa vómitos e dores. A gastrite crónica está associada ao tabagismo e ao alcoolismo crónico e pode ser produzida pela introdução da bílis no estômago, procedente do duodeno. Não tem sintomas definidos mas o doente pode vir a desenvolver uma úlcera gástrica. A gastrite atrófica pode ser consequência de uma gastrite crónica, embora também possa ter origem espontânea como uma doença auto-imune. Os sintomas dispépticos como as náuseas, os vómitos, a perda de apetite e as perturbações intestinais, que correntemente se atribuem à gastrite, não se devem à inflamação do estômago.

Piloro - Piloro

Piloro

Extremidade inferior do estômago que conduz ao duodeno. Termina como um anel muscular denominado esfíncter pilórico, que se contrai para fechar a abertura que faz comunicar o estômago com o duodeno.

Hematémese - Hematémese

Hematémese

Vómito de sangue. O sangue pode ter sido deglutido, em consequência de uma epistáxis ou depois de uma amigdalectomia, embora com mais frequência tenha origem numa hemorragia no estômago ou no duodeno. Entre as causas mais comuns destacam-se a úlcera gástrica ou duodenal, a gastrite e as varizes esofágicas. Quando se perde muito sangue, é preciso substituí-lo com uma transfusão sanguínea.