Artigos

Febre recorrente - Febre recorrente

Febre recorrente

Doença infeciosa causada por bactérias do género Borrelia que se transmitem por carraças ou percevejos e que causam uma febre recorrente.

Febre amarela - Febre amarela

Febre amarela

Doença infeciosa causada por um vírus e que aparece na África tropical e nas regiões do Norte de África do Sul. Transmite-se por mosquitos, principalmente o Aedes aegypti. Os vírus causam a degenerescência dos tecidos do fígado e dos rins. os sintomas, que dependem da gravidade da infeção, incluem calafrios, cefaleias, dores nas costas e nas extremidades, febre, vómitos, obstipação, oligúria – micção escassa (a urina contém grandes quantidades de albumina) – icterícia e hemorragia (hemateses). A febre amarela é frequentemente mortal, mas a recuperação depois de sofrer o primeiro ataque confere imunidade. Pode prevenir-se por vacinação.

epidemia - Epidemia

Epidemia

Ocorrência súbita de uma doença infeciosa que se estende rapidamento por uma população, afetando uma proporção muito elevada da mesma. As epidemias mais comuns na atualidade são as da gripe.

Varicela - Varicela

Varicela

Doença infeciosa, muito contagiosa, provocada por um vírus herpes, que se transmite por gotículas aerotransportadas. Depois de um período de incubação entre onze e dezoito dias, sobrevém uma febre baixa à qual se segue um rash de pápulas avermelhadas, vesículas e crostas. As lesões dérmicas estendem-se desde o tronco à cara, ao couro cabeludo e às extremidades, evoluindo ao longo de aproximadamente doze dias. O único tratamento consiste em repouso na cama e aplicação de uma loção de calamina ou de um anti-histamínico tópico ou oral, para evitar que o doente se coce. As lesões não deixam cicatriz se não forem arrancadas as crostas. O doente é contagioso desde o início dos sintomas até que todas as lesões estejam completamente secas, ou seja, com a queda das crostas. A varicela é rara no adulto e confere imunidade permanente quando ocorre na infância.

Tuberculose - Tuberculose

Tuberculose

Doença infeciosa causada pelo bacilo Mycobacterium tuberculosis e caraterizada pela formação de lesões nodulares (tubérculos) nos tecidos. Na tuberculose pulmonar, o bacilo é inalado pelos pulmões, desenvolvendo um tubérculo primário com extensão aos gânglios linfáticos próximos. As defesas imunitárias naturais podem resolvê-lo durante este período. Alternativamente, a doença pode permanecer latente durante meses ou anos e flutuar segundo a resistência do doente. Muitas pessoas infetadas não apresentam sintomas. Os sintomas da doença ativa incluem, febre, suores noturnos, perda de peso e expetoração hemoptóica.

Em alguns casos, os bacilos disseminam-se desde o pulmão pela corrente sanguínea, provocando a formação de milhões de pequeníssimos tubérculos por todo o organismo ou emigrando para as meninges para causar a meningite tuberculosa. Os bacilos cuja porta de entrada foi a boca, usualmente o leite de vaca infetado, originam um complexo primário nos gânglios linfáticos abdominais, provocando peitonites e disseminando-se, por vezes, a outros órgãos, articulações e ossos. A tuberculose é tratada com o antibiótico esptrptomicina, a isoniazida (INH) e com o ácido para-amino-salicílico (PAS), entre outros. Nas medidas de prevenção incluem-se a deteção dos portadores com o screening radiológico e a inoculação com a vacina BCG nos que não têm imunidade à doença.

Zoonose - Zoonose

Zoonose

Doença infeciosa dos animais com capacidade para se transmitir ao homem em condições naturais.

Weil doença de A. - Weil (doença de A.)

Weil (doença de A.)

Doença infeciosa aguda que é transmitida ao homem através dos excrementos urinários dos ratos, quer a eliminam por esta via.

Varíola - Varíola

Varíola

Doença infeciosa vírica aguda que provoca febre elevada com um rash ou exantema que origina cicatrizes na pele. Transmite-se principalmente com o contato direto com o doente. Os sintomas começam entre oito e dezoito dias depois da exposição, destacando-se as cefaleias, as dores na coluna, a febre elevada e os vómitos. Ao terceiro dias, quando a febre desce, aparecem umas manchas vermelhas na face que se vão estender ao tronco e às extremidades. Aos oito ou nove dias, todas as manchas (máculas) se transformam em pápulas e postreriomente em vesículas do tamanho de uma ervilha, no início de conteúdo aquoso, mas que depois se enchem rapidamente de pus (pústulas). A febre reaparece, havendo com frequência delírio. Ao décimo primeiro ou décimo segundo dia desaparecem o rash e a febre. As crostas, formadas ao secarem as pústulas, caem entre os sete e os vinte dias seguintes, deixando no seu lugar cicatrizes permanentes. O doente é contagioso até que caiam todas as crostas. Muitos doentes recuperam, embora possam sobrevir graves complicações como a nefrite ou a pneumonia.

Sarampo - Sarampo

Sarampo

Doença altamente infeciosa produzida por um vírus. Tende a ocorrer em forma de epidemias, afetando principalmente as crianças. Depois de um período de incubação de oito a quinze dias, aparecem uns sintomas parecidos com os de uma constipação, acompanhados por febre alta. No interior das bochechas podem aparecer uma pequenas manchas vemelhas com o centro branco (manchas de Koplik). Entre o terceiro e o quinto dia, desenvolve-se um exantema avermelhado, ligeiramente elevado, em forma de manchas que primeiro se iniciam atrás das orelhas, passam para a cara e depois alastram a todo o corpo. O doente é contagioso durante este período. Em muitos casos, os sintomas desaparecem rapidamente, mas o doente continua suscetível à pneumonia e à infeções do ouvido médio. A recuperação completa ocorre entre duas e quatro semanas depois. A vacina contra o sarampo produz uma imunidade efetiva.

Mononucleose - Mononucleose infeciosa

Mononucleose infeciosa

Doença infeciosa, também conhecida pela doença do beijo e é produzida pelo vírus de Epstein-Barr, que afeta os gânglios linfáticos do pescoço, das axilas e das virilhas. Apresenta-se principalmente nos adolescentes e nos adultos jovens. Depois de um período de incubação até sete semanas, o sintomas iniciam-se com tumefação e dores nos gânglios linfáticos, febre, dores de cabeça e de garganta e perda de apetite. Em alguns casos, o fígado é afetado causando hepatite e o baço aumenta de tamanho. A febre ganglionar diagnostica-se pela presença de grande número de monócitos no sangue. As complicações são raras, mas os sintomas podem persistir durante várias semanas antes da recuperação total.