Artigos

Sístole - Sístole

Sístole

Período do ciclo cardíaco durante o qual se contrai o coração. Este termo costuma referir-se à sístole ventricular que dura 0,3 segundos. A sístole auricular dura 0,1 segundos.

Sistema cárdio vascular - Sistema cárdio-vascular

Sistema cárdio-vascular

Conjunto formado pelo coração e as duas redes mais importantes de vasos sanguíneos – a circulação maior e a circulação menor ou pulmonar. O sistema cárdio-vascular permite a circulação de sangue por todo o organismo, o transporte de substâncias nutritivas e o oxigénio aos tecidos e a eliminação dos produtos residuais.

Nervo vasomotor - Nervo vasomotor

Nervo vasomotor

Qualquer nervo, quase sempre pertencente ao sistema nervoso autónomo, que controla a circulação do sangue através dos vasos sanguíneos mediante a ação sobre as fibras musculares das suas paredes ou diretamente sobre o ritmo cardíaco. O nervo vago lentifica o coração e reduz o seu volume de expulsão; os nervos simpáticos, por outro lado, aumentam a frequência e o volume da expulsão do coração, assim como a pressão arterial, contraindo ao mesmo tempo os vasos sanguíneos.

Pericárdio - Pericárdio

Pericárdio

Membrana que rodeia o coração, formada por dois folhetos. O pericárdio fibroso, externo, rodeia completamente o coração e está aderente aos grandes vasos sanguíneos que emergem do coração. O pericárdio seroso, interno, é um saco fechado, de membrana serosa: a porção visceral interna (epicárdio) está intimamente unida à parede muscular cardíaca e a porção parietal reveste interiormente o pericárdio fibroso. No interior do saco de líquido que impede a fricção quando as superfícies deslizam entre si durante os batimentos cardíacos.

Nervoso autónomo sistema - Nervoso autónomo, sistema

Nervoso autónomo, sistema

Parte do sistema nervoso responsável pelo controlo das funções orgânicas não conscientes, entre as quais se incluem o batimento regular do coração, os movimentos intestinais, a sudação, a salivação, etc. O sistema autónomo divide-se em sistema nervoso simpático e parassimpático. Os nervos simpáticos começam na zona média da espinal medula e os parassimpáticos procedem do cérebro e da parte inferior da medula. O coração, os músculos lisos e a maioria das glândulas recebem fibras de ambos os tipos. A interação da atividade do simpático e parassimpático (ações que às evzes são antagónicas) controla a sua função. As terminações nervosas simpáticas libertam noradrenalina, que atua como neurotransmissor. As terminações nervosas parassimpáticas libertam acetilcolina.

Miocárdio - Miocárdio

Miocárdio

Camada média das três que formam a parede do coração. Compõe-se de músculo cardíaco e forma a maior parte da parede cardíaca, sendo mais grossa no ventrículo do que na aurícula.

Músculo cardíaco - Músculo cardíaco

Músculo cardíaco

Tecido muscular especializado que forma as paredes do coração. É formado por uma malha de células alongadas e ramificadas, cuja ligação com as células vizinhas é marcada por umas bandas transversas irregulares chamadas discos intercalados.

Mitral - Mitral

Mitral

A mais frequente valvulopatia do coração, como lesão isolada, tem como causa principal a febre reumática, que se encontra em cerca de 60% destes doentes. Afeta mais frequentemente a mulher que o homem, consistindo, como enfermidade, na redução ou estreitamento da comunicação da aurícula para o ventrículo, por soldadura das comissuras valvas do mitral, com ou se retração e calcificação das mesmas.

Malformação septal - Malformação septal

Malformação septal

Persistência de um ou mais orifícios na separação (septo) das metades direita e esquerda do coração. Esta comunicação anormal é congénita e deve-se ao desenvolvimento anormal do coração no feto. Pode apresentar-se entre as duas aurículas (malformação septal auricular) ou entre os dois ventrículos (defeito septal ventricular). A malformação septal permite a passagem anormal de sangue do lado esquerdo do coração (que tem uma pressão mais elevada) para o lado direito. Esta circulação anormal provoca uma corrente excessiva de sangue através dos pulmões. Nos casos mais graves, desenvolve-se uma hipertensão pulmonar e, posteriormente, uma insuficiência cardíaca. As grandes malformações septais devem ser resolvidas cirurgicamente e as pequenas não exigem tratamento.

ecocardiografia transesofagica - Ecocardiografia

Ecocardiografia

Utilização das ondas ultrassónicas para investigar e registar o funcionamento e as caraterísticas das estruturas cardíacas.