Ferida

Ferida

Qualquer solução de continuidade bruscamente produzida nos tecidos por um traumatismo direto (mecânico, térmico, por radiações, etc.). Designa-se por contusão, uma lesão traumática extensa das partes profundas sem a correspondente lesão traumática superficial. Classificadas segundo o efeito imediato produzido, são conhecidas normalmente quatro variedades: incisas, perfurantes, lacerantes, laceradas e contusas. As feridas incisas são em regra, devidas a um instrumento cortante e apresentam os bordos lisos, conservando-se intato os tecidos circunvizinhos. Nestes casos, a hemorragia é, em geral abundante, mas pode ser rapidamente estancada.

As feridas perfurantes são causadas por um instrumento pontiagudo. São as mais perigosas, quer por a sua profundidade poder atingir órgãos vitais, quer por a hemorragia devida a uma tal ferida poder ser difícil de controlar, quer ainda pela dificuldade de desinfeção.

As feridas laceradas apresentam grandes rasgões, tais como os produzidas por acidentes com máquinas. Como os vasos, ao serem cortados, são torcidos, há pouca tendência para a hemorragia.

As feridas contusas são aquelas em que estão traumatizadas as partes vizinhas, como no caso de uma pancada com um pau ou um ferro. A hemorragia é pequena, mas a cicatrização é lenta, devido à maceração do bordo da ferida. O primeiro dever de quem assiste a um ferido é procurar deter a hemorragia. Isto consegue-se por pressão sobre os bordos da ferida com o auxílio de um lenço limpo ou se a hemorragia é grave, colocando o dedo na ferida e fazendo pressão sobre o ponto do qual escorre sangue. Podem empregar-se outros métodos.