foto-de-escarlatina-nos-braços-e-pernas

Escarlatina

Doença muito contagiosa, principalmente da infância, causada por uma bactéria do género Streptococus. Transmite-se através dos doentes ou portadores (pela tosse) ou mediante o leite contaminado. Os sintomas começam dois a quatro dias depois do contato, destacando-se a febre, o mal-estar, dores de garganta e um exantema ou rash rugoso generalizado, que se inicia no tronco, desde as axilas, atingindo o tórax, as costas e as extremidades, o pescoço e a cara (poupando a zona peribucal) e afetando também a língua. A escarlatina simples é a forma mais comum em que tanto os sintomas locais como os gerais são atenuados e o caso segue uma evolução favorável. Por outro lado, a begnitude do ataque não tem influência sobre a duração da doença, incluindo a convalescença.

A escarlatina anginosa é uma forma mais grave da afeção, espcialmente no que diz respeito à sintomatologia da garganta. Bem marcada ou não, a erupção é por vezes lenta a desenvolver-se e a desaparecer. Há uma intensa inflamação da garganta: as amígdalas, a úvula e o véu do paladar apresentam-se inflamados e ulcerados ou cobertos de placas membranosas semelhantes às da difteria, enquanto, externamente, se notam a tumefação e o endurecimento dos gânglios do pescoço, tornando-se com frequência ponto de partida de abcessos. O tratamento com antibióticos reduz a duração da doença e impede complicações como as infeções dos rins e do coração. A infeção costuma conferir uma imunidade perene.