Diabetes mellitus

Diabetes mellitus

Perturbação do metabolismo dos hidratos de carbono em que os açúcares não se oxidam para produzir energia por falta de insulina, hormona pancreática que promove a entrada de glicose nas células. A acumulação de açúcar conduz ao aumento do mesmo no sangue (hiperglicemia) e posteriormente na urina. Entre os sintomas destacam-se a sede, perda de peso e grande produção de urina. A utilização de gorduras como fonte alternativa de energia conduz à perturbação do equilíbrio ácido-base, com acumulação de corpos cetónicos no sangue (cetose). Se não for corrigida, esta situação pode culminar no coma diabético.

Esta doença pode ter causas hereditárias e pode desencadear excesso de peso e stress físico. A diabetes que começa na infância ou na adolescência (diabetes tipo I) costuma ser mais severa do que a que se inicia no adulto ou no idoso (diabetes tipo II). O tratamento baseia-se no controlo cuidadoso da alimentação com uma quantidade adequada de hidratos de carbono para cobrir as necessidades corporais e administração de injeções de insulina (no tipo I) ou ingestão de drogas (no tipo II), com o objetivo de diminuir o nível de glicose no sangue.

A falta de equilíbrio na alimentação ou doses erradas de insulina ou antidiabéticos orais conduzem à hipoglicemia. Entre as complicações a longo prazo da diabetes deve destacar-se  o espessamento das artérias, que pode afetar os olhos (retinopatia diabética) e os membros inferiores (perigo de gangrena nos casos avançados) entre outras localizações (coração, rins).